Uncategorized

Rótulos Alimentares: o que nos dizem?

Uma questão tão antiga quanto atual – Rótulos Alimentares: o que nos dizem? Nos dias que correm, o perfil do consumidor é cada vez mais atento, mais preocupado e interessado na relação entre alimentação e saúde e em como fazer melhores escolhas.  A leitura dos rótulos alimentares tem cada vez maior impacto no processo de decisão de compra, e, apesar de para alguns ainda ser um enigma, para muitos já deixou de ser um “bicho-de-7-cabeças”. (ver artigo Produtos Embalados Sim ou Não?: https://nutri4solutions.com/erros-que-oa-impedem-de-perder-peso-4/) Legislação De acordo com o Regulamento Europeu (ver ebook da Associação Portuguesa de Nutricionistas https://www.apn.org.pt/documentos/ebooks/Ebook_Rotulagem.pdf), rotulagem corresponde “a todas as indicações, menções, marcas de fabrico ou comerciais, imagens ou símbolos referentes a um género alimentício que figurem em qualquer embalagem, documento, aviso, rótulo, anel ou gargantilha que acompanham ou se refiram a esse género alimentício”. Já um rótulo é “uma etiqueta, uma marca comercial ou de fabrico,

Dieta do Paleolítico – em que consiste?

A Dieta do Paleolítico foi uma teoria inicialmente proposta pelo Dr. Loren Cordain, é atualmente um regime alimentar bastante popular e procurado. Mas afinal, em que consiste? Baseia-se na ingestão de alimentos naturais sem qualquer tipo de processamento, os quais, segundo o mesmo, o homem foi originalmente “programado” a comer. A questão dos alimentos processados já foi abordada anteriormente no artigo “Produtos Embalados: Sim ou Não?” (ver artigo aqui: https://nutri4solutions.com/erros-que-oa-impedem-de-perder-peso-4/) Características da dieta Paleo Nesta dieta os alimentos que necessitam de tecnologia que os ancestrais não possuíam estão excluídos da dieta, exceto o mel. A dieta paleo pressupõe que o funcionamento do organismo humano não se alterou ao longo de milhares de anos, baseando-se no facto de não haver evidência de mudanças nas enzimas digestivas. Este regime alimentar assenta numa elevada ingestão de proteína animal – que, no caso do gado, tem de ser proveniente de pastagem – fibra, potássio, vitaminas,

Que tipos de açúcar existem?

O consumo de açúcar exacerbado tem sido frequentemente associado à cariogénese, obesidade, diabetes mellitus tipo 2, síndrome metabólica, aumento de triglicerídeos e esteatose hepática. Nesse sentido, e com vista a reduzir o seu consumo, surgem os substitutos do açúcar: adoçantes naturais e adoçantes artificiais Os adoçantes artificiais são substitutos sintéticos do açúcar comummente utilizados em alimentos como refrigerantes, doces, pudins, geleias, lacticínios. Entre eles destacam-se o Acessulfame de Potássio, a Sacarina, o Aspartame, a Sucralose e o Ciclamato. Não obstante, estes adoçantes possuem um poder adoçante muito superior ao açúcar, não contêm calorias e não alteram as glicemias. Muito embora possam ser utilizados como alternativa ao açúcar no controlo de peso e na diabete, alguns estudos evidenciam que estão associados a efeitos metabólicos adversos, como resistência à insulina, obesidade e desequilíbrio da microbiota intestinal. No que respeita aos adoçantes naturais destacam-se os Polióis (Sorbitol, Manitol, Xilitol, Maltitol), o Agave, o

Mais sabor, Sem sal

As ervas aromáticas, são plantas, que apresentam diversas utilizações e propriedades, conferindo aos pratos sabor, aroma e cor. Devido às suas funções nutricionais elas são um bom substituto ao sal. Estima-se que 30-40% da população da Europa tem HTA (hipertensão arterial) e Portugal não é exceção em relação a esses números. A HTA está fortemente relacionado com o elevado consumo de sal, e estudos apontam que a população portuguesa consome o dobro do sal (a Organização mundial de Saúde recomenda 5g/dia), tornando-se importante a implementação de estratégias para a sua redução, uma delas, passa pela utilização de ervas aromáticas com seu substituto. As ervas aromáticas são boas fontes de proteína, fibras, minerais (cálcio, sódio, fósforo e potássio) e vitaminas (A, complexo B e C) e apresentam benefícios para a saúde como a prevenção de doenças neurodegenerativas, cancro, doenças cardiovasculares e diabetes. Passando agora para a parte prática, onde usar as

Café: Características e os seus benefícios

O café é uma das bebidas mais consumidas no mundo inteiro e já muito se sabe sobre os seus benefícios, inclusive no que diz respeito a performance desportiva. É até à data o suplemento ergogénico com maior nível de evidência científica. E quando falamos de café, falamos obviamente da sua molécula – a cafeína. Esta molécula da família das xantinas é a mais famosa e comum. A cafeína tem a capacidade de estimular recetores adrenérgicos e beta-adrenérgicos que controlam várias funções fisiológicas entre as quais a queima da gordura e o ajuste da pressão arterial. Por ser uma bebida estimulante e ergogénica, o café faz parte da rotina de muitos de nós e é muitas vezes a fórmula certa para uma energia extra. Falando em contexto desportivo, a cafeína é também muito utilizada de forma isolada sob a forma do sal cafeína anidra ou em conjunto com outros compostos, por

Alimentação na gravidez

Uma alimentação completa e equilibrada é essencial em todas as fases da vida mas assume particular importância em determinados momentos. O período gestacional é um deles. Afinal, é aqui que tudo começa… O cuidado com a alimentação deve ser redobrado nesta fase uma vez que tal se refletirá tanto na saúde materna como na do bebé, quer a curto prazo, para que a gestação decorra sem intercorrências, quer na programação da saúde futura do bebé. Cuidados gerais a ter com a alimentação na gravidez Existem cuidados transversais a todas as grávidas pelo risco acrescido de determinados problemas para a mãe e para o feto/bebé. Para além do álcool, cujo nível de ingestão que garanta ausência de risco não está determinado e que, por isso, deve ser evitado por completo, também o consumo de cafeína deve ser limitado no período gestacional. A cafeína atravessa a placenta (passando também para o leite

Chás, Infusões e suas Características

Chás, Infusões e Decocções: Quais as suas diferenças e como se preparam? O chá é uma bebida preparada através da infusão de folhas, flores, raízes da planta Camellia sinensis, geralmente preparada com água quente. Cada variedade adquire um sabor definido de acordo com o processamento utilizado, que pode incluir oxidação, fermentação, e o contato com outras ervas, especiarias e frutos. Existem diferentes tipos e variedades de chá e várias tradições associadas ao seu consumo. O chá e as tisanas podem ser bebidos ao longo do dia e à refeição. A seguir à água, são uma excelente forma de manter o organismo hidratado, enquanto protegemos o nosso corpo, graças à ação das substâncias antioxidantes. Processamento do chá Os quatro tipos de chá são distinguíveis pelo seu processamento. Camellia sinensis é um arbusto sempre verde cujas folhas, se não são logo secas depois de apanhadas, rapidamente começam a oxidar. As folhas ficam

Gorduras na Culinária: Qual a melhor para fritar?

O termo fritura é entendido como a imersão de um alimento em óleos/gorduras a altas temperaturas. Na verdade, todos os processos que utilizam o aquecimento de uma gordura em crú são considerados fritura (grelhados com pouca gordura, salteados, estrugidos, etc), a partir do momento em que atingem uma temperatura de 180ºC. No que se refere ao modo de confeção, a fritura é um processo bastante complexo através do qual os alimentos sofrem alterações a vários níveis. A fase inicial envolve uma desidratação parcial dos alimentos, em que a água da sua composição e os materiais nela solubilizados são retirados do interior dos alimentos. Já numa 2ª fase, o óleo vai entrar nos alimentos, ocupando parte do espaço deixado livre pela água, o que depende fundamentalmente da temperatura do óleo e do alimento. Um alimento frito terá necessariamente mais gordura, e logo maior valor calórico, que um alimento confecionado de outro modo.

Nutrição para os mais pequenos

Milkshake de Verão No Verão, muitas vezes apetece-nos mais beber do que comer… e com as crianças não é exceção. Para combater a sede e saciar o apetite numa tarde quente de Verão, um milkshake é uma excelente opção. Junte fruta (a preferida das crianças, por exemplo), leite e triture até obter um delicioso milkshake de morango, ananás, banana, quiwi… um milkshake de Verão que deve ser servido com uma palhinha! Espetadas de fruta Fruta fresca é um ótimo lanche para o Verão e se for servida em forma de espetada, ainda melhor: as crianças vão adorar a apresentação e poderá incluir uma variedade de fruta, aproveitando o melhor que a época tem para oferecer. Experimente esta dica e verá que este rapidamente se tornará no seu lanche de Verão preferido! Gelado de banana Não é bem gelado, mas parece e sabe a banana! Coloque as bananas no congelador até